Você está visualizando América do Sul

Shutterstock_716625154_weboptimised-1

Alterações nos preços dos alimentos. O que está acontecendo em nossa mesa?

Publicado October 21, 2021
Compartilhar

Muito tem sido noticiado sobre o aumento dos preços dos alimentos globalmente, os quais estão sofrendo altas constantes nos últimos meses. Esse aumento é ainda maior em países em desenvolvimento, como a maioria dos países latino-americanos, e tem causado impactos diretos aos consumidores, que encontram supermercados sempre com preços mais altos em respeito à última compra.

Segundo a ferramenta da FAO - Food Price Index – entre abril e maio de 2021 houve um aumento de 4,8% no valor do índice, representando um aumento nos preços dos alimentos globalmente. Se considerarmos a comparação com o mesmo período de 2020, o índice teve aumento de 39,7%. A variação do índice no mês de maio de 2021 foi o maior desde 2010 e causou impactos nos preços de carne, leite, cereais e muitos outros alimentos.

Em alguns setores, o aumento dos preços é tão acentuado que vem causando uma surpresa indigesta aos consumidores, como é o caso dos óleos vegetais, por exemplo. Esse mercado teve uma a alta dos preços ainda mais acentuada: 7,8% de aumento em relação ao mês anterior, sendo o 12° aumento consecutivo. Os maiores aumentos são do óleo de palma, soja e canola. Neste caso, algumas justificativas para esse aumento são as baixas produções de óleo de palma no sul da Ásia, e as projeções otimistas de uso de soja para biodiesel e alimentação animal.

Porém, além das particularidades desse caso, algumas causas para elevação dos preços dos alimentos são mais genéricas, e se aplicam para a maioria das categorias de alimentos. Aqui listamos algumas delas:

 

  • Pandemia COVID-19:

Além das perdas irreparáveis e do impacto em saúde causados pela pandemia do coronavírus, os impactos econômicos estão sendo sentidos no bolso do consumidor. Alguns setores, como é o caso de produtos lácteos, sofre uma oscilação de preço grande devido à abertura e fechamento de estabelecimentos comerciais, bares e restaurantes. De início, um excedente de leite que deixou de ser processado causou uma ruptura da cadeia, levando os preços para baixo e a desvalorização do produtor. Na sequência, a incerteza sobre a demanda, juntamente com a alta de preços das rações animais, causou aumentos repentinos, elevando o preço de todos os derivados lácteos para valores que ainda não tínhamos visto em nossa atual moeda.

 

  • Variações na cotação do dólar:

A alta do dólar também tem um impacto no preço dos produtos vendidos no Brasil. Apesar de nossos consumidores fazerem suas compras em real, parte delas tem impacto da moeda estrangeira. A alta do dólar, por exemplo, impacta diretamente em matérias-primas importadas que são utilizadas em produtos alimentícios, além de impacto no preço de commodities. Outro caso bastante comum do impacto do dólar no prato do brasileiro pode ser visto no preço da carne. Com a moeda estrangeira em alta, muitos frigoríficos aceleram as exportações, causando aumentos no preço da carne no mercado interno.

 

  • Falta de Insumos:

Talvez a falta de insumos que mais tem-se falado no mercado é a de embalagens! Muitas fábricas tiveram a cadeia de produção afetada por pausas na produção e lockdowns no Brasil e no exterior. Além disso, a alta demanda por plásticos e o aumento da demanda de embalagens individuais, as quais necessitam de mais matéria-prima, afetou muitos mercados. Os preços de embalagens, em alguns casos, chegaram a subir de mais de 100% e esse valor sem dúvida, chega até o consumidor final em um efeito cascata em toda a cadeia.

 

  • Frete:

Com os preços de combustíveis nas alturas devido à alta do petróleo e à gestão pública, os fretes para transportes de matérias-primas e de produtos acabados  estão causando grande impacto em toda a cadeia de fornecimento de alimentos.

 

  • Mudanças ambientais:

As recentes secas em diversas regiões do mundo, incluindo o Brasil, queimam lavouras inteiras de vegetais, frutas, grãos e gramíneas, causando impacto na produção de alimentos e na produção animal. O desafio da época de seca é sucedido pelo desafio da época das chuvas, visto que chuvas intensas, em excesso e de granizo, geram perdas similares na agricultura.

 

Com tudo isso em jogo, a indústria de alimentos precisa estar preparada para enfrentar os desafios das altas de preços e eleger um excelente fornecedor de ingredientes pode te ajudar a superar essa fase crítica juntos.

A Kemin atua de maneira eficiente de modo a entregar seus produtos nos prazos estabelecidos com seus clientes, fazendo projeções precisas de mercado e avaliações constantes sobre faltas de insumos em sua produção. Além disso, nossa equipe de negociação global assegura preços justos para mantenimento da cadeia.

Se quiser saber mais sobre as altas de preços e como a Kemin pode te ajudar no fornecimento de ingredientes de maneira a minimizar os impactos da cadeia de produção, entre em contato com um de nossos especialistas.

Para ficar sempre por dentro das novidades da Kemin, siga nossa página no Linkedin