salmonella

November 07,2018

Alternativa ao uso de formaldeído como aditivo na nutrição animal

Desde o início de 2018, o uso de formaldeído como aditivo em alimentos para animais foi banido na União Europeia e não pode mais ser utilizado como melhorador das condições de higiene e/ou conservante de rações. A decisão de proibir o formaldeído foi publicada no Jornal Oficial da União Europeia (REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/183 DA COMISSÃO de 7 de fevereiro de 2018), e põe fim a um processo complexo de reviravoltas e indecisões.

O formaldeído tem sido historicamente utilizado como uma ferramenta de grande potencial para o tratamento de problemas microbiológicos e de higiene alimentar em fábricas de rações e, embora sua eficácia seja amplamente reconhecida, as autoridades europeias se preocupam quanto a segurança das pessoas que o manipulam e todos os demais riscos envolvidos. Por não ser possível identificar um nível seguro de exposição da pele, dos olhos e do sistema respiratório para quem manipula, a comunidade europeia, pelo princípio da precaução, tomou a decisão de proibi-lo.

Solução segura e eficiente

No que se refere a possíveis produtos alternativos ao formaldeído como aditivo pertencente ao grupo funcional dos conservantes, existe uma ampla lista do mesmo grupo funcional e que estão atualmente autorizados na União Europeia. Estes compostos incluem ácidos orgânicos (fórmico, láctico, propiônico, acético), óleos essenciais (tomilho, cinamaldeído, orégano) e outros.

O FEEDAP (Panel on Additives and Products or Substances used in Animal Feed) considera que o uso de ácido fórmico na nutrição animal é seguro para o meio ambiente e, nas concentrações recomendadas, inibe o crescimento bacteriano em alimentos para animais. 

O ácido fórmico é autorizado pela Diretiva 70/524 / CEE do Conselho da União Europeia e está atualmente inscrito no Registo da UE de aditivos para alimentos para animais como aditivo tecnológico (grupo funcional: conservante) para utilização na alimentação de todas as espécies animais, sem limite de tempo. Considerando que o turnover do ácido fórmico é rápido, não há evidências de acúmulo em tecidos corporais e, portanto, seu uso como aditivo em alimentos para todas as espécies animais é considerado seguro para o consumidor.

Formaldeído “Free”

Os produtos antimicrobianos são aditivos essenciais na indústria de rações, e é essencial que tenham efeito imediato na redução da contaminação bacteriana do alimento. Contudo, eles também devem proteger a ração da recontaminação e da multiplicação microbiológica. Um bom produto antimicrobiano deve proteger a ração desde a fabricação até o consumo pelo animal. Levando em consideração a grande variedade de produtos antimicrobianos, é importante selecionar a melhor combinação para otimizar a eficácia e segurança desses produtos.

Ao contrário do formaldeído, que age por efeito “nocaute” no controle de microrganismos e oferece riscos associados ao processo de resfriamento, condensação, transporte e campo, os ácidos orgânicos possuem um efeito residual maior, promovendo segurança quanto a recontaminações ao longo da cadeia.

O tratamento térmico, que por muitas vezes é utilizado também como um meio de controle para enterobactérias, envolve a utilização de altas temperaturas e pressão durante o processo porém, quando utilizado em excesso pode provocar degradação de nutrientes. Combinando o tratamento térmico e tratamento químico com os ácidos orgânicos, tem-se um efeito sinérgico duplo, com poder residual e otimizando o processo produtivo e a qualidade do alimento.

No âmbito da legislação sobre saúde e segurança no trabalho, estão sendo estudados valores-limite de exposição profissional ao formaldeído, mas de acordo com os riscos de exposição, o grau de insalubridade passa de máximo, para médio, com o uso de ácidos orgânicos, melhorando não só as condições de trabalho como os custos trabalhistas envolvidos pela insalubridade.

Sal CURB®

A Kemin, através da linha Sal CURB®, disponibiliza alternativas eficazes e seguras para produção sem formaldeído. Estudos internos demonstram que os ativos antimicrobianos mais eficazes para diminuir a contaminação bacteriana são o ácido fórmico, o ácido propiônico e o ácido lático. Estes ácidos orgânicos foram combinados na formulação de Sal CURB®, um blend de ácidos orgânicos tamponados, disponível nas versões líquida e em pó. A linha Sal CURB® é efetiva em matérias primas, rações completas, e para redução microbiana em superfícies de instalações, equipamentos, sistemas de armazenagem e transporte.

Uma aplicação segura de Sal CURB® inclui a segurança dos colaboradores e do meio ambiente. A Kemin dispõe de uma equipe técnica para projetar, fabricar e instalar os sistemas de aplicação customizados para cada fábrica. Este sistema aumenta a segurança e a eficácia do produto, ao mesmo tempo em que diminui os possíveis efeitos negativos nas rações e seus ingredientes.

salcurb K2

Procedimentos de Boas Práticas, princípios HACCP e medidas de biossegurança representam o quadro preventivo para garantir a segurança dos alimentos. Um programa de controle de enterobactérias (incluindo Salmonella), envolve a identificação de todos os PCC (pontos críticos de controle) e uma correta aplicação de produtos reconhecidamente eficientes, atrelando eficiência produtiva, segurança alimentar e lucratividade.

Sal CURB® é uma solução segura para equipamentos e quem manipula produto, e eficaz no controle microbiológico. Clique para saber mais.

Para maiores informações contatar equipe técnica da Kemin.

 

Referências

Reg. (EC) 183/2005 and Reg. (EC) 2160/2003.

OSHA Fact Sheet – “Formaldehyde” – United States.

NR 15 – Atividades e Operações Insalubres – Anexo N° 11 – Ministério do   Trabalho – Brasil.

Kemin reference: TL-10-00051: Sal CURB® K antimicrobials: Characteristics and differentiation from conventional antimicrobials.

EFSA Journal 2014;12(10):3827: Scientific Opinion on the safety and efficacy of formic acid when used as a technological additive for all animal species.

REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2018/183 DA COMISSÃO de 7 de fevereiro de 2018 relativo à recusa da autorização do formaldeído como aditivo em alimentos para animais pertencente aos grupos funcionais dos conservantes e dos melhoradores das condições de higiene.

Natalia Vicentini

Natália Vicentini

Gerente de Serviços Técnicos da Kemin para Líquidos